sábado, 7 de julho de 2012

Comer menos prolonga a vida

Comer 40% menos pode prolongar sua vida em 20 anos

dad_checking_grill_md_wht.gif (22685 bytes)coffeecup_cookies_milk_dippings_book_md_wht.gif (3971 bytes)plate_of_lefse_md_wht.gif (32052 bytes)spaghetti_steaming_md_wht.gif (7857 bytes)toss_salad_wooden_bowl_md_wht.gif (13093 bytes)
Essa é para aqueles que querem chegar aos 100 anos: segundo pesquisa recente, comer menos pode acrescentar cerca de 20 anos a sua expectativa de vida. O termo “pode” é crucial, porque as conclusões ainda não são definitivas.
Ao diminuir a quantidade de comida de seus ratos de laboratório, uma equipe de pesquisadores do Instituto de Saúde e Envelhecimento da Universidade de Londres (Inglaterra) conseguiu prolongar a vida dos animais entre 20 e 30%.
Os pesquisadores envolvidos consideram o envelhecimento em si como uma “doença” que pode (até certo ponto) ser evitada por meio de mudanças de hábitos, uso de remédios e manipulação genética. Artrite, câncer, doença de Alzheimer e outras complicações seriam sintomas do envelhecimento. Tratar a doença principal, portanto, evitaria muitas outras.
Além de ratos, eles também conseguiram prolongar a vida de moscas-da-fruta, por meio de medicamentos e dietas específicas. Vale lembrar que esses insetos têm uma constituição genética 60% similar à nossa, o que torna os resultados ainda mais promissores.
Como se trata de uma área de pesquisa relativamente recente (cerca de uma década), ainda há poucos resultados concretos e muito a ser feito para driblar o envelhecimento.[Daily Mail UK] [Medical Daily]